O que é a dieta Paleo?

O que é a dieta Paleo?

A história da dieta Paleo

A dieta Paleo resumidamente podemos definir como uma maneira de comer tal como os nossos antepassados comiam na altura do paleolítico.  Paleolítico porquê? Porque considera-se que nessa época foi quando o ser humano assumiu a aparência e desenvolvimento muito semelhante ao atual, e ao mesmo tempo mantendo uma alimentação principalmente recolectora. As dietas paleolíticas consistem em aprender a  comer como os nossos antepassados. ​​ Os fãs da dieta Paleo tentam comer o mais naturalmente possível, optando por carnes alimentadas de forma biológica sem rações, e uma abundância de frutas e vegetais e outros alimentos integrais como nozes e sementes. Algumas versões “menos radicais” da dieta permitem o consumo de alguns alimentos “tabu” (que não estavam disponíveis durante essa época), como produtos lácteos e batatas com baixo teor de gordura, enquanto outros evitam frutas ou vegetais que são considerados como contendo muita frutose.

 

A vida paleolítica como um conceito dietético foi promovida pela primeira vez pelo gastroenterologista, Dr. Walter L Voegtlin. O seu livro, “Dieta da Idade da Pedra”, foi publicado em 1975 e preparou o caminho para uma infinidade de diferentes abordagens paleolíticas, todas similares nos seus princípios fundamentais, mas com regras e restrições variadas. Termos comuns para esses tipos de dieta incluem a dieta das cavernas, a dieta do caçador-coletor e, claro, a dieta Paleo. Embora existam muitas derivações de tipo de dietas paleo , existem “gurus” da dieta paleo sendo dois deles os mais populares e respeitados:

Dr. Loren Cordain

Um professor da Universidade Estadual do Colorado, especializado em saúde e ciência do exercício. O Dr. Cordain é considerado por muitos como a autoridade na dieta paleolítica. Seu livro, The Paleo diet, publicado em 2002 fala sobre os benefícios do Paleo para perda de peso e saúde.

Robb Wolf

Um ex-bioquímico, Wolf estudou sob o Dr. Cordain e é autor da solução The Paleo, outro recurso popular, publicado pela primeira vez em 2010.

A Essência da Dieta Paleo

A era do Paleolítico era pré-agrícola, por isso defende-se que a maior parte dos alimentos que nos nossos dias consumimos em abundância, não são adequados para o consumo do nosso corpo na sua forma bruta. Muitos seguidores da dieta Paleo acreditam que os nossos sistemas digestivos mudaram pouco desde então e, portanto, existem alimentos para os quais o nosso trato gastrointestinal não está preparado para digerir, sendo eles:

  • Legumes (incluindo amendoim)
  • Grãos de cereais
  • Açúcar refinado
  • Batatas
  • Alimentos processados (sem estar no seu estado natural que levam algum tipo de tratamento ou transformação)
  • Sal
  • Laticínios
  • Óleos vegetais refinados
  • Leguminosas

Como já acima descrito as diferentes formas da dieta paleo, variam nas suas restrições e permissões no consumo de certos alimentos. Existem tipos de dietas, em que os produtos lácteos com baixo teor de gordura e leguminosas são permitidos. Todas as versões da dieta incentivam ao consumo de  proteínas magras, frutas, vegetais e gorduras saudáveis ​​de alimentos integrais, como nozes, sementes, azeite e carne de origem biológica (sem uso de rações).

Mais do que uma dieta… Um estilo de vida.

A dieta paleo deve ser encarada como um estilo de vida e não como uma dieta rápida para perda de peso. Pretende-se que a dieta Paleo  promova uma maneira mais natural de comer, com baixos níveis de açúcar, sal e a eliminação de alimentos processados ​​e refinados. A ideia é que isso está mais em sintonia com a forma como os nossos corpos estão naturalmente capacitados para digerir os alimentos e o tipo de alimentos. Como consequência dessa forma de pensar, o plano omite alimentos lácteos, grãos de cereais, vegetais de amido e açúcar em favor de alimentos selvagens, magros, com frutas e vegetais e mel. As gorduras saudáveis ​​são incentivadas, como as variedades insaturadas e, especificamente, óleos como azeitona, côco, noz e abacate.

 

Como consequência, a dieta é relativamente baixa em carboidratos, mas é rica em proteínas magras e alimentos vegetais, que contêm fibras, vitaminas, minerais e fitoquímicos de toda importância. Ao contrário de certas outras dietas com baixo teor de carboidratos, a dieta Paleo não promove carnes salgadas e processadas e incentiva a inclusão de certas frutas e vegetais que tenham um efeito alcalino benéfico. A dieta não é de baixo teor de gordura, mas sim promove a inclusão de gorduras naturais de animais, peixe e marisco alimentados biologicamente, bem como nozes, sementes e seus óleos. A eliminação de uma grande variedade de alimentos como grãos, produtos lácteos, alimentos processados ​​e açúcar significa que a dieta é mais do que provável que leve a alguma perda de peso. No entanto, muitos seguidores da dieta Paleo não têm como objectivo necessariamente a perda de peso, mas sim resolver um problema de saúde digestiva ou inflamatória. Na verdade, uma série de pequenos estudos sugeriram que aqueles que seguem uma dieta Paleo relatam resultados positivos para a saúde, incluindo perda de peso, melhora do controle de açúcar no sangue e uma redução nos fatores de risco para doença cardíaca.

 

No entanto, a lógica por trás do plano tem as suas falhas. O que os nossos antepassados ​​comeram dependeria de onde moravam no mundo, fazendo com que os abacates fossem um alimento básico improvável para os europeus por exemplo. Os nossos antepassados ​​também eram muito mais fisicamente ativos, tendo que caçar e se reunir para a comida. A dieta Paleo também ignora os benefícios para a saúde de consumir grãos integrais, bem como feijões, legumes e vegetais com amido. Numerosos estudos relataram uma redução incidência de doença cardíaca naqueles que regularmente consomem três porções de grãos integrais por dia. As propriedades baixas do IG (índice glicêmico) dos feijões e das leguminosas os tornam especialmente úteis para aqueles com problemas de açúcar no sangue e os vegetais que contêm amido são uma ótima fonte de energia com densidade nutritiva. Todos esses alimentos fornecem vitamina B, que, entre outras coisas, nos ajudam a extrair a energia dos  alimentos. Finalmente, omitir os produtos lácteos tem sido alvo de muitas críticas porque pode limitar a ingestão de minerais como o cálcio. Aqueles que seguem uma dieta que restringe certos grupos de alimentos podem sentir: Falta de energia, fadiga e tonturas devido aos níveis mais baixos de carboidratos. Esses são défices nutricionais por causa da escolha restrita de alimentos.

 

Tenha em atenção:

Se você está pensar em fazer qualquer tipo de dieta, consulte antecipadamente um medico nutricionista, para garantir que você o possa fazer sem riscos para a sua saúde.

Gostou deste artigo?Partilhe-o com os seus amigos e faça like na nossa pagina!
  • 10
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    10
    Shares

Deixe uma resposta