A habilidade de lidar com a preocupação

A habilidade de lidar com a preocupação

Uma coisa que está fortemente presente na vida de muitos de nós são as preocupações. Os motivos de preocupação são inúmeros e os mais diferentes dependendo das particularidades da vida de cada pessoa.

Um dos mais comuns é a preocupação com as questões financeiras. Será que vou ter dinheiro para pagar as contas? Será que eu e minha família vamos passar necessidades? Outra razão é saúde. Preocupações em ficar doente e não poder trabalhar por exemplo. Depois existem as preocupações mais momentâneas. Por exemplo, a preocupação de se sair bem na apresentação que terá que fazer no trabalho, a preocupação de conseguir concluir um projeto importante e por aí vai.

Existe um lado positivo de se preocupar. Mantém você alerta e pensando no que deve fazer para evitar a potencial situação negativa que é motivo de inquietação. A vida não é uma festa e manter os pés no chão também é necessário.

Porém, tem vezes que o nível de preocupação passa do ponto e deixa de ser saudável e útil. Começa a se tornar algo prejudicial que paralisa e impede você de ir em frente. A origem dessa preocupação vem do medo do futuro. Medo de que as coisas não saiam como você imagina que devam sair. Medo de que algo desastroso aconteça e você passe por uma situação de necessidade ou constrangimento, por exemplo.

Mas será que esse medo excessivo se justifica? De todas as vezes que você se preocupou excessivamente no passado quantas delas o motivo de preocupação realmente se tornou realidade?

O fato é que regularmente criamos uma situação monstruosa na nossa cabeça. Elaboramos mentalmente um pior cenário e concentramos muito nele de forma que parece que passa a ser o único cenário. Quando isso acontece, um caminho é lembrar que essa é apenas uma das possibilidades e, muito provavelmente, a menos provável delas. Então fazer um exercício de elencar outros possíveis cenários também e considerar cenários positivos. Parar de se fazer de vítima de uma situação imaginária que nós mesmos criamos. As coisas podem dar certo e muitas vezes dão. Então, não há motivos para desconsiderá-las. Então procurar ver as coisas com otimismo e confiança e fazer o que precisa ser feito para que dê certo. E se não der certo, tudo bem. Falhar faz parte do processo e não deve ser levado como algo terrível, mas sim como um aprendizado útil.

A aflição sobre as possibilidades do futuro é útil só até o ponto que coloca você em modo de ação para tomar as atitudes necessárias e trabalhar para que o melhor aconteça. Quando a preocupação passa do ponto e vira stress crônico deixa de ser útil e passa a ser mais um problema. Preste atenção como você está lidando com esta questão na sua vida e perceberá que pode levar a vida com muito mais positividade e otimismo sobre o que vem pela frente.

Artigo da autoria de:

Juan O’Keeffe

Sobre:

Empreendedor, pai de um menino chamado Lucas e de uma cachorrinha chamada Nina. Bacharel e mestre em Administração de Empresas pela PUC-RS também com um ano de estudo nos EUA. Vasta experiência no mundo corporativo atuando em funções como analista, desenvolvedor de software e gerente de projetos de software em multinacionais Fortune 500 como HP e Dell. Atualmente seus maiores interesses são desenvolvimento pessoal, cães, negócios e alimentação saudável.

Gostou deste artigo? A melhor forma de nos agradecer é partilhando nas redes sociais e fazendo like nas nossas paginas do Facebook!
  • 1
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    1
    Share

Deixe uma resposta